domingo, 26 de junho de 2016

Sol e chuva que molha e seca a vida da gente

Galhos secos cercado de águas. Morrendo aos poucos, afogado pelo ciclo da vida. Não sei se prefiro  noite ou dia. Sei que me sinto engolida pela água que cai sobre a minha cabeça. Dessa vez a chuva molhou os meus galhos de um jeito diferente. Fui reduzida a  nada. Estou fraca com o peso da água. Sem forças deixo os galhos deslizar por onde o vento quiser. Sinto falta do sol e da força das minhas raízes. A água de um jeito bastante agressivo arrancou as minhas folhas, secou e molhou os meus galhos. Estou a mercê do vento que me joga de um lado pra outro. Sem raiz eu não sou nada. Com chuva sou apenas galhos encharcados sem vida sem motivo sem nada Quem dera tivesse eu raízes e folhas pra brigar com o vento e a chuva até o sol esquentar e secar a água que apodrece a minha alma. E pensar que hoje eu só queria sol. E pensar que ontem o sol secou as minhas folhas, queimou os meus pés. Tão quente. Eu só queria um pouco de chuva. Chuva e sol. Dia e noite. Vento e calor. Seca e enchente. Qual desses vai me deixar contente. Se morro de saudades de um que chega e o outro se afasta de repente. Que falta que faz um sol quente no dia que tem enchente. E que falta que faz enchente quando esse resolve queimar a gente. Busco o calor do sol insistentemente pra me molhar com a chuva que cai de repente. Sol e chuva que molha e seca a vida da gente.



Nenhum comentário: